Afinal o que é a dívida?

PROGRAMA 03  

5 ABRIL DE 2017
22H00
Miguel Cadilhe, Fernando Alexandre e Ricardo Paes Mamede

Portugal é um país altamente endividado e que não cresce. A dívida, sobretudo a do Estado que atingiu 241,1 mil milhões de euros em Dezembro passado, tem-se acumulado, ano após ano, através de crédito contraído no exterior. A adesão à União Europeia e ao euro criou um clima de excesso de confiança que fez crescer o endividamento público, das famílias e das empresas. A crise económica que atingiu toda a Europa , sobretudo a economia portuguesa conduzindo ao resgate pela Troika, fez a factura da dívida do Estado disparar ainda mais.

Até quando terão os portugueses de pagar esta dívida? Em que medida esta factura limita as possibilidades de crescimento da economia nacional? Como é que as diferentes dívidas são constituídas e como é que afectam, no dia-a-dia, as escolhas das famílias, do Estado e das empresas do país?

São estas e outras perguntas que o Fronteiras XXI quer esclarecer neste programa. No debate vão estar o ex-ministro das Finanças Miguel Cadilhe, o professor Fernando Alexandre e o professor Ricardo Paes Mamede, comentador da RTP.

Convidados neste programa

Ex-ministro das Finanças

Miguel Cadilhe

Foi ministro das Finanças de dois governos de Cavaco Silva (1985-1990) e secretário de Estado do Planeamento de Sá Carneiro (1980). Economista, licenciado pela Universidade do Porto, deu aulas na Faculdade de Economia desta universidade, esteve como investigador na London School of Economics e deu aulas como professor catedrático convidado na Católica do Porto.
Liderou o Banco Fomento Exterior (BFE), Banco Borges & Irmão e o Banco Português de Negócios (BPN, durante cinco meses na altura da nacionalização pelo Estado. Foi ainda administrador do BCP e do Banco Português do Atlântico (BPA) e presidente de várias empresas do grupo bancário. É Presidente do Conselho de Curadores da Universidade do Porto.
Autor e co-autor em mais de duas dezenas de livros, foram-lhe atribuídas as grãs-cruzes das ordens do Mérito de Portugal e do Cruzeiro do Sul do Brasil, e a Medalha de Mérito, grau ouro, da cidade do Porto. Nasceu em Barcelos há 72 anos.

mais +
Professor e pró-reitor da Univ. do Minho

Fernando Alexandre

Doutorado em Economia pela Universidade de Londres Birkbeck College e mestre pela Universidade de Coimbra, foi secretário de Estado adjunto do ministro da Administração Interna no XIX Governo Constitucional. É Pró-reitor da Universidade do Minho para a Valorização do Conhecimento e professor associado do Departamento de Economia e membro do NIPE - Núcleo de Investigação em Políticas Económicas desta instituição. Exerceu vários cargos de gestão universitária na Universidade do Minho, tendo presidido à Escola de Economia e Gestão e dirigido o departamento de Economia e a licenciatura em Economia. Realizou trabalhos de consultoria, entre outras entidades, para o Tribunal de Contas, a Associação Portuguesa de Seguradores e a Fundação Calouste Gulbenkian. Co-autor de Crise Financeira Internacional (2009), Crise e Castigo (2016) e acabou de lançar Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa.

mais +
Professor de Economia no ISCTE

Ricardo Paes Mamede

Professor do Departamento de Economia Política do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), onde dá aulas desde 1999. É doutorado em Economia pela Universidade de Bocconi, Itália, e mestre em Economia e Gestão de Ciência e Tecnologia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa.
Foi director de Serviços de Análise Económica e Previsão do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia e da Inovação em 2007 e 2008 e coordenador do Núcleo de Estudos e Avaliação do Observatório do QREN entre 2008 e 2014. Autor do livro O que Fazer Com Este País – do pessimismo da razão ao optimismo da vontade e co-autor do blogue Ladrões de Bicicletas. É membro do Dinâmica’CET, Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território. E comentador da RTP.

mais +

Comentários 6

Diga-nos o que pensa sobre este tema. Coloque questões.

Comentar

@#fronteirasXXI