Do jogo ao desporto

Carlos Neto Investigador na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa

Em Portugal 70% das crianças brincam menos de uma hora por dia. As crianças têm hoje menos tempo para brincar do que os prisioneiros nas prisões. A inversão desta tendência pode ser alcançada através de políticas públicas que promovam mais atividade física regular, uma educação física consistente no contexto escolar, atividades desportivas adequadas em diferentes idades e cidades que permitam a criação de estilos de vida saudável para todos os cidadãos.

O desporto entre os jovens é o tema do debate Fronteiras XXI de 20 de Março na RTP3

 

Vivemos num tempo de grande inatividade física e as crianças e jovens sofrem por isso. É um tempo de analfabetismo motor, porque elas não têm de facto uma literacia física e motora adequada, porque o tempo de brincar na rua desapareceu e está em vias de extinção (Neto, 2001). As crianças hoje não têm tempo para brincar, explorar com os amigos a rua de forma livre e espontânea.

É preciso dizer que há um declínio enorme do jogo livre nas últimas décadas do ponto de vista de tempo e espaço para brincar. Por outro lado, aumentou de forma dramática as desordens mentais: ansiedade, depressão, hiperatividade/deficit de atenção e taxa de suicídio na adolescência.

Esta mudança nas últimas quatro décadas, poderá dever-se a uma transição epidemiológica (excesso de peso e obesidade, diabetes, doenças cardíacas e respiratórias, etc.), transição demográfica (densidade populacional e espacial), transição nutricional e digital (alteração de hábitos alimentares e aumento da utilização quotidiana de dispositivos digitais) e diminuição significativa de tempo e espaço de jogo de atividade física.

Para ter uma ideia, 70% das crianças em Portugal brincam menos de uma hora por dia. As crianças têm hoje menos tempo para brincar do que os prisioneiros nas prisões, que têm mais tempo de ócio fora das celas. O tempo na infância, passou a ser vivido de forma muito organizada, estruturada e limitada. Temos currículos escolares muito extensos e intensos, e as crianças passam muito tempo sem mexer o corpo estando sentadas e quietas. Os relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS), têm vindo a alertar para um aumento exponencial de sedentarismo em todas as idades, géneros, raças, continentes e culturas, com consequências nocivas a curto, médio e longo prazo para a saúde física e mental da população mundial.

A inversão desta tendência pode ser alcançada através de políticas públicas que promovam mais atividade física regular, uma educação física consistente no contexto escolar, atividades desportivas adequadas em diferentes idades e cidades mais saudáveis que permitam oportunidades de criação de estilos de vida saudável para todos os cidadãos. Uma relação mais próxima com a natureza, colocar o corpo em situações de maior nível de risco e desenvolver atividades lúdicas e desportivas em grupo é um grande desafio para a saúde pública dos cidadãos do século XXI.

Na infância e juventude é urgente encontrar estratégias de ação para melhorar o seu reportório motor, lúdico e desportivo. A formação desportiva mobiliza milhares de crianças e jovens, mas interessa elaborar uma reflexão séria como esse processo deve ser caraterizado e implementado na escola e no clube desportivo.

A nossa opção quanto à filosofia de ação na formação desportiva, inicia-se através de duas dinâmicas complementares: oportunidades de brincar (jogo exploratório) e jogar (atividade motora com regras) em situações informais (em casa, na rua, recreio escolar, espaços ao ar livre) e no plano escolar (educação física e desporto escolar) através de atividades físicas e motoras de forma intencional, sistemática e periódica. Deste modo, será necessário:

1-Criar condições propícias para a formação de uma cultura motora básica (saber fundamental), através de formas de trabalho diversificado e capazes de desenvolver e manter durante qualquer idade, uma plasticidade motora, capaz de permitir a adaptação a novas situações de maior complexidade ou culturalmente institucionalizadas;

2-Permitir o acesso a tarefas motoras mais ou menos definidas, a fim de permitir uma estruturação percetiva consistente (consciência da sua mobilidade corporal e perceção de dados exteriores). Desenvolver igualmente aspetos relacionados com aquisições motoras centradas sobre conceitos de direção, lateralidade, ajustamento postural, coordenação motora global e segmentar, perceção temporal e espacial e imagem do corpo, nas relações estabelecidas na utilização do próprio corpo, dos objetos e com os companheiros, como elementos decisivos para um aperfeiçoamento desejável no desenvolvimento motor infantil.

A designação de cultura motora fundamental que propomos não significa cultura de movimentos. Pretende somente traduzir a capacidade de domínio do corpo a partir da vivência de múltiplas situações de movimento. De outra forma, poderemos designar a qualidade de desempenho motor adquirido como uma capacidade facilitadora de novas aprendizagens em situações mais estruturadas ou inabituais.

Por outro lado, a mobilidade das crianças em contexto pedagógico significa que as ações motoras apresentam um processo dinâmico com um fim definido, sem muitas vezes se perceber de forma bem clara a intencionalidade dos seus comportamentos (fantasia, simbolismo e afeto). Trata-se de formas de movimento com um nível próprio de organização e que permitam graus de complexidade progressiva das estruturas motoras.

Passar do jogo ao desporto, implica perceber o desenvolvimento lúdico, motor, percetivo, cognitivo, emocional e social da criança ao longo do tempo (life spain). A formação desportiva deverá seguir uma orientação desenvolvimentista (respeito pelo crescimento e evolução motora infantil) e não por uma orientação desportivista (imposição de modelos adultos no trabalho desportivo com crianças e jovens).

A motricidade, o movimento, a atividade física e o jogo, são formas de ação fundamentais nas primeiras idades, porque é aí que tudo começa, isto é, a formação desportiva começa mais cedo do que as pessoas julgam. Não se fazem campeões a partir dos 12, 13, 14 anos. Começa antes, mas é preciso perceber qual é a conceção pedagógica, técnica e científica que se deve trabalhar na formação desportiva nas primeiras idades.

 

 

O desporto entre os jovens é o tema do debate Fronteiras XXI de  20 de Março na RTP3

NOTAS

Excerto do artigo de Carlos Neto: “Formação desportiva em crianças e jovens: uma abordagem ecológica”

 

O autor escreve com o novo Acordo Ortográfico.

BIBLIOGRAFIA

Neto, C. (2001). Aprendizagem, desenvolvimento e jogo de atividade física. In M. d. G. S. Guedes (Ed.), Aprendizagem Motora: Problemas e Contextos (pp. 193-220). Lisboa: Edições FMH.