INFOGRAFIA

7.Estarão estas gerações perdidas?

7 DE OUTUBRO DE 2020 | 22H30

Os jovens nascidos entre a década de 1980 e o início do novo milénio vão ser a primeira geração a viver pior que os pais. Apanhados entre duas crises económicas de proporções históricas, nem a sua maior escolaridade os livrou do desemprego, dos contratos precários, da dependência financeira da família. O que é que os espera agora? Reveja o programa.

Reveja o programa, aqui

Ainda a sociedade se estava a recompor da última crise económica quando a pandemia da Covid-19 se abateu sobre o mundo, provocando uma nova recessão mundial. E, tal como na anterior, são as gerações mais novas quem mais está a sentir estes efeitos.

Quase 26% dos portugueses entre os 15 e os 24 anos estão desempregados, segundo o IEFP. Uma percentagem que aumenta a cada mês que passa. Mas os nossos jovens não estão sozinhos.

De acordo com o Eurostat, a taxa de desemprego neste grupo etário aumentou dois pontos percentuais desde o ano passado – tendo já atingido os 17%, na UE. Números semelhantes aos que vimos quando a crise financeira atravessou o oceano Atlântico, em finais de 2008, e que só pararam de crescer no início de 2013.

A somar a um cenário que se avizinha sombrio, temos as pessoas nascidas entre a década de 1980 e o novo milénio que, em menos de 10 anos, se vê a braços com um novo contexto de crise económica. Alguns analistas sugerem que esta será a primeira geração a viver pior que os pais.

Como é que a actual conjuntura mundial poderá afectar o acesso de todos estes jovens a um emprego que lhes dê estabilidade e segurança? Que impacto têm as paragens no trabalho na trajectória de vida destas gerações? Conseguirão emancipar-se e realizar as suas expectativas? E que impactos tem esta situação para o país de hoje e de amanhã?

No Fronteiras XXI, debatemos os factores que estão a criar dificuldades e explicam a perda de rendimentos e qualidade de vida das gerações mais novas. Com a Economista da Educação Ana Balcão Reis e o sociólogo especialista em juventude Vítor Sérgio Ferreira, o professor que ganhou o nobel da Educação, Global Teacher Prize Portugal, Rui José Correia, e a apresentadora o podcast “A Minha Geração” Diana Duarte.

Tivemos também entrevistas exclusivas a peritos internacionais, como o economista norte-americano e antigo Secretário-de-Estado do Trabalho dos EUA Robert Reich e a professora da Universidade de Castilla-La Mancha especialista na transição dos jovens do sistema educativo para o mercado de trabalho María Ángeles Davia Rodríguez.

E ainda contámos com a participação especial de alunos e ex-alunos da Universidade Europeia, que puderam dar os seus testemunhos pessoais, em directo, neste programa.

O debate foi emitido no dia 7 de Outubro, às 22h30, na RTP3A moderação esteve a cargo da jornalista da RTP Ana Lourenço. 

 

Convidados neste programa

Vítor Sérgio Ferreira Sociólogo especialista em juventude Doutorado em Sociologia da Comunicação, Cultura e Educação pelo ISCTE, trabalha como investigador e professor de alunos de pós-graduação no Instituto de Ciências Sociais da Universid...
Ana Balcão Reis Professora na NOVA SBE perita em Economia da Educação Preside ao Conselho Pedagógico da NOVA School of Business and Economics, onde também dirige os Programas de Licenciatura e lecciona há mais de 30 anos. Dá aulas nos vários graus académ...
Rui José Correia Professor, vencedor do Global Teacher Prize Portugal É professor de História na Escola Básica de Santo Onofre, nas Caldas da Rainha, e recebeu em 2019 o Global Teacher Prize Portugal, considerado o prémio Nobel da Educação, que distingue...
Diana Duarte Apresentadora do podcast "A Minha Geração" Nasceu em Coimbra, cresceu em Leiria e estudou em Lisboa. Ao fim de dois anos no curso de Direito concluiu que não era aquela área em que gostaria de trabalhar. Foi no curso de Jornalismo ...

Documentos

INFOGRAFIA PORDATA: "Os Jovens em Portugal" 30 Set, 2020  |  PDF  |  6.19 MB
Estudo FFMS: "Mobilidade social em Portugal" 28 Set, 2020  |  PDF  |  4.00 MB
Estudo FFMS: "Justiça entre gerações" 28 Set, 2020  |  PDF  |  4.06 MB
Estudo FFMS: "Igualdade de género ao longo da vida" 28 Set, 2020  |  PDF  |  18.03 MB
Estudo: "Onde está a Terra da Oportunidade? A geografia da mobilidade intergeracional nos Estados Unidos" 28 Set, 2020  |  PDF  |  2.15 MB
Relatório OCDE: "Os jovens e a Covid-19 - Resposta, Recuperação e Resiliência" 21 Set, 2020  |  PDF  |  5.64 MB
Relatório OIT: "Os jovens e a Covid-19 - Impactos no trabalho, na educação, nos direitos e na saúde mental" 21 Set, 2020  |  PDF  |  11.66 MB
The Deloitte Global Millennial Survey 2020 - Resilient generations hold the key to creating a “better normal” 21 Set, 2020  |  PDF  |  8.08 MB
Comissão Europeia: "Desenvolvimentos Sociais e no Emprego na Europa 2020" 25 Set, 2020  |  PDF  |  7.41 MB
"As dimensões existenciais da precariedade: jovens trabalhadores e os seus modos de vida" 25 Set, 2020  |  PDF  |  589.04 KB
Conclusões do inquérito da Resolution Foundation: Os trabalhadores mais jovens sofreram o maior impacto com a perda de empregos e salários, desde o início da crise pandémica 28 Set, 2020  |  PDF  |  436.06 KB

SABIA QUE

?
10% dos jovens entre os 15 e os 29 anos, de países da OCDE, não estão empregados, no sistema educativo nem a receber formação. "Youth and Covid-19: Response, Recovery and Resilience" (OCDE, Junho 2020)
Um em cada cinco jovens com idades entre os 25 e os 40 anos já tinham perdido o emprego no início de Maio de 2020, a nível mundial. "The Deloitte Global Millennial Survey 2020" (Junho 2020)
Mais de 70% dos jovens, no mundo, viram a sua educação perturbada pela pandemia da Covid-19. Organização Internacional do Trabalho (Agosto 2020)

Notícias XXI

INFOGRAFIA "A Corrida das Gerações"
"Uma geração perdida? Só se for para quem a olha de fora"
“Em cinco anos, a mesma geração de jovens leva com uma crise outra vez”

Notícias nos media

  É inaceitável que os jovens paguem o preço de uma pandemia global
  "Não vou ganhar o suficiente para constituir família." A precariedade que condena a vida dos jovens
  Só metade dos jovens no desemprego tem acesso a subsídio