Infografia

07.Subir na vida é possível?

6 SETEMBRO DE 2017 | 22H00

A educação é a chave para subir no elevador social. Mas se houve grandes progressos, estudantes mais pobres, de famílias menos escolarizadas ou de outras etnias continuam a chumbar mais. Que medidas podem ajudar a desbloquear a estagnação social dos portugueses?

Reveja o programa

O apelido ainda conta para conseguir um bom emprego?  Estudar é a principal garantia para uma vida melhor? A diferença entre homens e mulheres que chegam a cargos de topo tem os dias contados?

Em Portugal o aumento da escolaridade foi fundamental para garantir mais oportunidades para todos. Houve enormes progressos na educação da geração nascida em meados do século passado, para a dos filhos de Abril.

Apesar disso, hoje, apenas 46 em cada 100 portugueses completou o ensino secundário. E mais de metade da população ainda tem uma profissão equivalente à dos pais, revela o estudo inédito da Fundação Francisco Manuel dos Santos sobre mobilidade social, que será apresentado durante o Fronteiras XXI.

No próximo programa vamos discutir formas de combater as desigualdades que travam as oportunidades de subir na vida e as medidas políticas necessárias para desbloquear a estagnação social dos portugueses.

Para o debate, convidámos a segunda mulher do país a ocupar o cargo de ministra, Leonor Beleza, que preside à Fundação Champalimaud. Junta-se a Johnson Semedo, fundador de uma academia de futsal que apoia jovens de bairros problemáticos, e à especialista em economia política e pública, Susana Peralta. Não perca o debate! Dia 6 de Setembro, às 22 horas na RTP3  e online.

Convidados neste programa

Leonor Beleza Presidente da Fundação Champalimaud e ex-ministra da Saúde Presidente da Fundação Champalimaud desde 2004, por escolha do fundador António Champalimaud, é licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde foi profes...
Johnson Semedo Fundador da Academia do Johnson e treinador de futsal Vive desde os dois anos na Cova da Moura, para onde emigrou com a família vindo de S. Tomé e Príncipe. Aos 9 anos saiu de casa para viver na rua. Passou por colégios internos e casas de ...
Susana Peralta Especialista em Economia Política e Pública é Professora na Nova SBE, Especialista em Economia Política e Economia Pública doutorou-se em Economia na Universidade Católica de Louvaina, Bélgica. É professora associada na Nova School of Business anda Econom...

Documentos

Infografia sobre a Mobilidade Social e as desigualdades em Portugal 23 Ago, 2017  |  PDF  |  248.71 KB
Este estudo britânico mostra que para o sucesso é mais importante nascer numa família rica, mesmo se se for menos inteligente 23 Ago, 2017  |  PDF  |  1.94 MB
Mais pobres do que os pais? Uma nova prepsectiva sobre a desigualdade, num relatório do McKinsey Global Institute 24 Ago, 2017  |  PDF  |  738.18 KB

As melhores questões têm lugar marcado no debate!

Pode escolher o convidado a quem quer deixar a sua mensagem. Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório. Os lugares estão condicionados à lotação do espaço. A selecção das melhores questões e/ou comentários é da responsabilidade da direcção deste programa.
    

SABIA QUE

?
Em Portugal, quanto maior é a escolaridade dos pais, maior é o rendimento dos filhos
Há mais portuguesas licenciadas e doutoradas mas ganham menos 20% de salário do que os homens. (ver +) Quadros de Pessoal
Com a crise, quem tem o ensino superior perdeu 20% do rendimento, enquanto quem tem pelo menos o 6.º ano perdeu 13% (ver +) Rodrigues, C.F., Figueiras,R. e Junqueira,V.(2016)

Notícias XXI

"Contra o racismo: Por uma escola mais democrática", a opinião da socióloga Cristina Roldão
A educação é a chave para subir na vida. Mas será suficiente?
Para o rapper Slow J a mobilidade social "está dentro de cada pessoa"
A escola de Curral das Freiras onde cabem todos os sonhos
"Em nome do pai", um artigo de António Araújo

Notícias nos media

  Subir na vida sem berço de ouro é mais difícil em Portugal
  As famílias com mais dinheiro hoje são as mesmas que existiam na Idade Média
  "Não me sinto o Ronaldo da ciência, mas é um exemplo de trabalho e dedicação"