INFOGRAFIA

3.Que apoios sociais teremos?

12 DE ABRIL 2019 | 22H30

Quase metade dos portugueses viveriam na pobreza sem apoios do Estado. Mas com uma população mais envelhecida e menos jovens a trabalhar, o sistema está ameaçado. Que alterações ao sistema precisamos? Iremos ter uma velhice apoiada? Até quando?

Veja o programa completo

Quase metade da população portuguesa viveria na pobreza sem os apoios do Estado. Mais de dois milhões de idosos recebem pensões de reforma, mais de um milhão de pessoas o abono de família, quase 800 mil viúvos e órfãos têm pensão de sobrevivência e metade dos que não trabalhavam recebiam subsídio de desemprego no ano passado.

As pensões absorvem hoje a esmagadora maioria do orçamento da Segurança Social, financiado sobretudo com os impostos dos trabalhadores e empresas, mas também com receitas dos jogos e outras verbas do Orçamento do Estado.

Com uma população cada vez mais envelhecida e menos jovens a trabalhar, as contribuições hoje quase já não chegam para pagar as pensões de hoje. E, neste acordo entre gerações, a garantia de um apoio na velhice parece incerta para quem agora começa a descontar para a Segurança Social.

Que soluções há para reformar o sistema de pensões e apoios? Que outras formas de financiamento podem evitar a sua implosão? E mesmo que tudo corra bem, as reformas que recebermos no futuro vão garantir-nos uma vida e velhice protegida?

Para responder a estas e outras dúvidas juntam-se no Fronteiras XXI, o ex-presidente do Conselho Económico e Social José Silva Peneda, o especialista em desigualdades sociais Carlos Farinha Rodrigues, a especialista em sistemas de protecção social na Comissão Europeia Ana Carla Pereira e o investigador Amílcar Moreira, autor de um estudo inédito sobre a sustentabilidade financeira e social do nosso sistema de pensões.

A moderação do Fronteiras XXI é da jornalista Ana Lourenço. Dia 12 de Abril, às 22h30, na RTP3.

Convidados neste programa

José Silva Peneda Ex-presidente do Conselho Económico e Social Presidiu durante seis anos ao Conselho Económico e Social, órgão consultivo que medeia o diálogo dos parceiros sociais e organizações da sociedade civil com o Governo. Em 2015 deixou o...
Ana Carla Pereira Perita em sistemas sociais europeus É chefe de unidade para a modernização dos sistemas de protecção social na Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão da Comissão Europeia, instituição onde trabalhou ...
Amílcar Moreira Sociólogo, investigador em políticas sociais É investigador pós-doc no Instituto do Envelhecimento da Universidade de Lisboa, onde desenvolve um projecto sobre a economia política dos mercados de trabalho em envelhecimento. Doutorou...
Carlos Farinha Rodrigues Especialista em desigualdades É considerado um dos maiores especialistas nacionais no estudo das desigualdades sociais. Doutorado em Economia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), onde dá aulas, é coor...

Documentos

INFOGRAFIA: Desafios da Segurança Social (versão PDF) 29 Mar, 2019  |  PDF  |  179.74 KB
Estudo sobre as atitudes europeias perante os sistemas de Segurança Social (versão inglesa) 28 Mar, 2019  |  PDF  |  1.83 MB
Relatório do Envelhecimento (Ageing Report 2018) da Comissão Europeia (versão inglesa) 28 Mar, 2019  |  PDF  |  4.56 MB
Estudo: "O envelhecimento da população ditará o fim da Segurança Social" do Observatório Europeu de Políticas e Sistemas de Saúde (versão inglesa) 28 Mar, 2019  |  PDF  |  1.96 MB

As melhores questões têm lugar marcado no debate!

Pode escolher o convidado a quem quer deixar a sua mensagem. Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório. Os lugares estão condicionados à lotação do espaço. A selecção das melhores questões e/ou comentários é da responsabilidade da direcção deste programa.
    

SABIA QUE

?
44% da população portuguesa seria pobre se não recebesse reforma, subsídio de doença, desemprego e outras pensões sociais PORDATA (2017)
As despesas com Segurança Social representavam mais de 16% do PIB em 2016 PORDATA
As pensões públicas incluem o sistema de Segurança Social e a Caixa Geral de Aposentações, que cobre os funcionários públicos contratados até 2006.

Notícias XXI

Sistema de pensões: diagnósticos e argumentos de uma discussão sem fim
Segurança Social, envelhecimento e robôs, um artigo da economista Susana Peralta
Em 40 anos, o número de pensões quase triplicou
São as pensões públicas adequadas? A respostas do economista Fernando Ribeiro Mendes

Notícias nos media

  Idade da reforma tem de subir para 69 anos para evitar quebra do sistema
  Devíamos ser obrigados a poupar mais para a reforma? (Há quem considere que sim)
  Elsa Fornero, ex-ministro italiana do Trabalho: “As reformas no sistema de pensões não são um castigo”